sábado, 26 de agosto de 2017

Furacão ‘Harvey’ perde intensidade após chegar ao sul do Texas


O furacão mais forte a chegar aos Estados Unidos nos últimos 12 anos tocou a terra na noite de sexta-feira na costa do Texas. O olho do Harvey chegou a Rockport, 45 quilômetros ao norte de Corpus Christi com ventos de 215 quilômetros por hora. Neste sábado o furacão perdeu intensidade e baixou à categoria 3, após causar graves danos na cidade de Rockport.


De acordo com o Centro Nacional de Furacões, o Harvey tem ventos máximos contínuos de 201 quilômetros por hora e a previsão é que continue enfraquecendo durante as próximas 48 horas.

O pânico e a ansiedade tomaram conta dos moradores do Texas após dias de alertas sobre os possíveis efeitos do furacão Harvey para esse final de semana. Centenas de pessoas estavam na sexta-feira em albergues, enquanto milhares preparavam suas casas para enfrentar um potencial desastre. Os supermercados em Houston ficaram sem água, leite e artigos não perecíveis, enquanto a demanda dos habitantes da cidade e dos subúrbios continua aumentando.

“Obviamente, agora já podemos dizer que esse será um grande desastre”, disse o governador, Greg Abbott, sexta-feira ao meio-dia. O prefeito de Rockport, Patrick Rios, disse a seguinte afirmação sobre as pessoas que não obedeceram às ordens de esvaziamento da cidade: “Escrevam seu nome e seu número do Seguro Social no braço com marca-texto” para quando encontrarem seus cadáveres.

As filas nos postos de gasolina começaram na quinta-feira, após os relatórios sobre a magnitude que teria o furacão. Na sexta-feira ao meio-dia o Harvey já tinha categoria 3 com ventos de 195 quilômetros por hora, para na tarde de sexta chegar à categoria 4. Já é o mais forte furacão a tocar a terra nos Estados Unidos desde o Wilma, em 2005. O fenômeno passou de tempestade tropical a potencial catástrofe em apenas 24 horas, fortalecido por uma temperatura de água incomumente alta no Golfo do México.

O Serviço Nacional de Meteorologia NOAA prognosticou “inundações com efeitos catastróficos que ameaçam a vida” em regiões ao sul do Texas, que possui várias pequenas localidades pesqueiras à mercê do mar. O furacão provocará o que se conhece como maré ciclônica, um aumento repentino do nível do mar que pode chegar a quase quatro metros em alguns pontos.

Em 2005 o furacão Katrina tocou a terra em Nova Orleans com categoria 3. A ruptura da represa que protege a cidade do mar provocou uma catástrofe com mais de 1.200 mortos e 108 bilhões de dólares (341 bilhões de reais) em danos.
Zona de desastre

O Governo do Texas reiterou que as pessoas deviam se preparar para o pior. Em uma mensagem na manhã de sexta-feira, o governador do Estado Greg Abbott pediu a todos que se preparassem. “Eu peço aos texanos que estão no caminho do Harvey que obedeçam aos alertas e ordens de evacuação dos oficiais locais antes da tempestade tocar a terra”, disse. Abbott declarou zona de desastre em 30 condados e colocou o Centro de Operações do Departamento de Segurança Pública em nível de alerta.

Na noite de sexta-feira, o presidente Donald Trump, que acompanha a situação de Camp David, aprovou uma declaração de emergência que permite a mobilização de todos os recursos federais necessários para ajudar o Texas.

As áreas costeiras devem ser as mais afetadas. A cidade de Port Aransas e os condados de Calhoun, Brazoria, Refugio, Jackson, Nueces, San Patricio e Matagorda deram ordem de evacuação obrigatória na quinta-feira às pessoas que vivem na área do Golfo do México e do canal intercosteiro.

As cidades de Galveston e Corpus Christi pediram que se fizessem evacuações voluntárias. Todos os distritos escolares de Houston e seus subúrbios suspenderam as aulas de sexta-feira. As autoridades também pediram aos moradores que se preparem para cortes de luz e água por vários dias.

A cidade de San Antonio, no interior, começou a receber moradores de áreas costeiras em diversos refúgios. A cidade tem a designação federal e estadual como centro de evacuação. Segundo o prefeito, Ron Nirenberg, existem 6.000 camas preparadas para abrigar as pessoas evacuadas.

Em Houston, o prefeito Sylvester Turner desmentiu rumores nas redes sociais em relação aos efeitos do Harvey. “Não foi emitida uma ordem de evacuação para a cidade e não estamos considerando uma por enquanto”, declarou.
Indústria petrolífera

Houston é a quarta maior cidade dos Estados Unidos e tem o maior complexo de refinarias e fábricas petroquímicas do país. O canal de barcos em Houston tem centenas de tanques de armazenamento de petróleo e produtos químicos. Se algum dos tanques se romper vítima de inundações, poderá afetar milhares de pessoas em áreas próximas, de acordo com uma investigação realizada pelo Propublica e o Texas Tribune.

Em 2005 as inundações por conta pelo Katrina causaram a ruptura de um tanque petrolífero no canal de Houston, afetando 1.700 casas.

Em junho, o encarregado de terras do Estado, George P. Bush, pediu aos líderes locais que financiem um sistema de barreira costeira para o Texas. “Somos tão vulneráveis a uma grande tempestade como éramos em 2008, e essas são más notícias”, disse.



Enquanto isso, os preços da gasolina já começaram a subir no Estado. Refinarias no setor de Corpus Christi, como a Citgo Petroleum, Flint Hills e Valero Energy, suspenderam temporariamente a produção. Mais de 25% da gasolina disponível para os Estados Unidos é refinada na costa do Golfo do Texas, segundo o Departamento de Energia.